1993: Bem-vindo ao Zooropa | U2 Brasil
4 de dezembro de 2015 · Especial U2 40 Anos
1993: Bem-vindo ao Zooropa
Postado por Aleh
zooropa4

Ao final da primeira parte da ZooTV, a banda entrou em recesso. No entanto, apesar de folga da turnê, eles continuavam em estúdio, com um projeto ambicioso em mente. A ideia inicial da banda era lançar um EP com 4 músicas, como edição limitada para os fãs, no entanto, Bono tinha diversas músicas em rascunho, e achava um desperdício usar apenas 4 de tantas que ele considerava potencial. Apesar de receosos com a empreitada, de alguma forma os outros membros da banda foram convencidos a lançar, não apenas um EP, mas sim todo um CD, de surpresa, para o mundo. Assim nascia Zooropa. Enquanto os olhos se voltavam para o pop e o grunge, U2 novamente parecia não se importar com as tendências mundiais, e se focava em apresentar algo completamente diferente. Zooropa era a manifestação de uma espiral de sensações, por vezes confusa e desconexa, mas que fazia sentido no contexto geral. Se entrar em um estúdio para gravar um álbum é algo estressante, fazer isso com um cronometro, era por vezes inumano. A banda estava trabalhando com um cronometro, que rapidamente estava chegando a zero. Bono se desdobrava em finalizar as canções para o novo álbum, e terminar de escrever uma canção para Frank Sinatra, e gravar outra em parceria com Johnny Cash, além de reaproveitar algumas outras faixas que nao conseguiram figurar em Achtung Baby. Enquanto as gravações do álbum anterior foram tensas e preocupadas, as gravações de Zooropa, apesar de terem assumido um ritmo frenético, foram feitas pela banda em um momento de união novamente. Eles queriam arriscar com o Zooropa, e assim o fizeram. Em “Numb”, Edge assume os vocais principais, enquanto Larry e Bono cantam ao fundo. The Wanderer tem uma marca sonora indiscutível de Cash, sobrepondo-se à voz baixa e melodiosa de Bono. Lemon, uma das músicas mais cruas e pesadas do álbum, mostra sua dicotomia ao ser cantada em falsete por Bono. Em 5 de julho de 1993 o mundo conhecia Zooropa, uma faceta ainda inexplorada pela banda. Mas não era hora de colher os louros da boa recepção do novo álbum. Na verdade, era hora de voltar à estrada, e começar uma nova fase da ZooTV.

A volta aos palcos e à estrada trouxe ainda mais novidades. Bono apresentou seu novo personagem, MacPhisto, representado por um “velho popstar que havia feito um pacto com o demônio”. Além de novos personagens, a turnê havia ficado também mais política. No entanto, nem tudo estava correndo como previsto nas turnês. Adam passava por um período turbulento, especialmente depois do seu relacionamento com a modelo internacional Naomi Campbell. Ele começou a apresentar sintomas de vício em bebidas alcoólicas e outras substâncias, culminando com a perda de um show da turnê, por não ter condições de realizá-lo. A banda, então, teve de realizar uma intervenção em Adam, que jurou se tratar, permanecendo estável até os dias atuais. De volta aos shows, Bono, com seu alter ego MacPhisto, ligava para os líderes mundiais no meio do show. A todos os momentos imagens da guerra que eclodia na Europa manchava os telões da ZooTV. Aquelas cenas de situações reais em meio a um show de rock era surreal. O impacto era sincero, e acontecia todas as noites. A banda começou a se aproximar o cineasta Bill Cárter, que estava em Saravejo, onde ele passou a estabelecer links externos em tempo real da cidade com os telões da turnê. Era uma experiência inimaginável.

Entre dois álbuns bem sucedidos, é uma turnê de sucesso imensurável, U2 era novamente cultuado como a maior banda do planeta. Entre o pop e o grunge, a banda se estabeleceu no sucesso com seu próprio ritmo, e sua própria ideia de como conduzir seus planos. Em um mar de cinismo, U2 trazia sinceridade.


Compartilhar notícia