1994: E o U2 descansa | U2 Brasil
15 de dezembro de 2015 · Especial U2 40 Anos
1994: E o U2 descansa
Postado por Marina
edgenbono06-07-1995TheKitchenbox

O ano de 1994 foi realmente eleito pela banda como um ano de descanso. Depois da intensidade com a qual a banda trabalhou desde o lançamento do álbum ‘Achtung Baby’ e, em seguida, com uma das maiores das tours já realizadas pelo U2 até hoje (em número de shows e de países visitados), era chegado o tempo de realizar uma pausa.

Bono foi o primeiro a sinalizar publicamente o recesso da banda, recusando vários convites que foram feitos, muitos deles relacionados a trilhas sonoras de produções cinematográficas. A única aparição relevante do vocalista do U2 fora na noite do Grammy daquele ano, na qual Bono proferiu um discurso antes da apresentação de Frank Sinatra.

A relação entre os cantores, que sempre foi um misto de admiração mútua e amizade, consolidou-se neste evento. O discurso de Bono, de acordo com o próprio Sinatra, foi a melhor apresentação que ele já poderia teria recebido em sua carreira. E de fato: as palavras de Bono eternizam a personalidade marcante de Sinatra e sua relevância para a música:

Frank nunca gostou de rock´n´roll e não gosta de rapazes usando brincos – e ele não pode deixar de sentir isso em relação a mim. Mas o sentimento não é mútuo. As pessoas do rock´n´roll amam Sinatra porque ele tem o que nós queremos: arrogância e atitude (…) Ele é O Chefe dos Chefes, O Homem, O Big Ban do Pop e eu não vou brincar com ele (…) Senhoras e Senhores, estão prontos para acolher um homem mais pesado que o Empire State, mais conectado que as Torres Gêmeas, tão reconhecível quanto a Estátua da Liberdade e a prova viva de que Deus é católico? Saúdem o Rei de New York, Frank Sinatra”

Certamente, fora esse discurso a marcar o ano de 1994 – especialmente para Bono, que reforçou sua relação com um grande ícone da música e ainda ganhou um relógio de ouro em agradecimento.

Nesse ano, a banda foi vencedora do Grammy Awards, na categoria de “Melhor Álbum Alternativo” do ano, com Zooropa.

Enquanto isso, a banda continuava em seu descanso. The Edge e Bono começavam a cuidar de uma propriedade recém adquirida no Sul da França. A ideia de Bono é que todos comprassem juntos a propriedade, mas apenas The Edge aderiu à proposta.E foi lá onde o guitarrista passou boa parte desse ano, reorganizando a vida particular após o fim de seu casamento.

Adam e Larry, por sua vez, preferiram passar o período de descanso em New York. Larry estava decidido a ir à Big Apple para estudar bateria. Queria aprimorar sua técnica e aprender novas tecnologias. Nos Estados Unidos, nessa época, teve contato com Gary Schaffe, de Boston, que ensinava bateristas a tocar com menos esforço físico. E assim, disposto a dar um basta no consumo de álcool que poderia afetar sua carreira, Adam decidiu acompanhar Larry nesse período de estudos e aprimoramento nos Estados Unidos. Lá, Adam se envolveu não apenas com aulas de baixo, mas também de canto.

O ano de 1994, assim, é um ano pouco lembrado pelos fãs da banda, devido à baixa produção e atividade pública do U2. No entanto, foi essencial para que seus membros relaxassem e pudessem voltar à cena musical com novos projetos, tais como o ´Passengers´ e o dueto de Bono com o tenor Luciano Pavarotti, para ´Miss Sarajevo´. Esse será o assunto dos anos que se seguem e que você acompanha no nosso especial de 40 anos da banda.


Compartilhar notícia