Análise: A sua própria canção | U2 Brasil
27 de abril de 2018 · Songs of Experience · U2BR
Análise: A sua própria canção
VickyPostado por Vicky

Pensei muito se deveria escrever este texto, se seria uma pessoa gabaritada para pensar sobre o assunto, afinal talvez existam poucas pessoas tão desacreditas do amor quanto eu. Sim, confesso e assumo que sou amargurada, incrédula em relação ao amor, mas foi aí que me toquei que como tantos outros eu resumo essas letrinhas a uma estética toda errada e simplória. Que resumo àqueles finais felizes de contos de fadas, fotos apaixonadas do Instagram, cor de rosa e tudo mais, quando na realidade o amor é muito mais do que apenas E VIVERAM FELIZES PARA SEMPRE. O amor é aquilo que você sente pelo seus pais, amor é aquele sentimento gostoso de sentar em uma sala de aula e ouvir por horas um professor falar sobre um assunto que você gosta, amor é aquele balde de pipoca dividido nas 3 horas de cinema com os seus melhores amigos, amor é o sorrir quando a sua amiga finalmente conquista aquele crush, ou quando a sua irmã é promovida no trabalho. Amor é aquela coberta velha e o pijama furado no domingo à tarde, é sorrir com uma gracinha do seu gato, é ver os pais passeando com seus filhos.

O amor é muito.
O amor é tudo.
O amor é pelo outro.
O amor é por você.
O amor é pela vida.
O amor não tem métrica.
O amor não tem forma.
O amor é maior do que tudo em seu caminho.

E foi essa a exata visão que o U2 escolheu dar no seu vídeo novo, Love Is Bigger Than Anything In Its Way. Através dos olhos do fotógrafo e cineasta da Vogue, David Mushegain, norte-americano de 45 anos, sugerido pessoalmente pelo manager da banda, Guy Oseary, vimos o amor desfilar de tantas maneiras e com tanta simplicidade, que ele apenas passa a ser o que deveria ser: UMA ENTIDADE, UM ESPÍRITO, UMA FORÇA. 

David Mushegain tem inclusive em seu currículo o livro Fandemonium, publicado em parceria com o vocalista Anthony Kiedis, do Red Hot Chilli Peppers, no qual mostra detalhes dos rostos das plateias dos fãs da banda durante a turnê realizada entre 2011 e 2012.

As cenas filmadas em Dublin mostram pessoas que vivem à margem do que pode ser considerado “normal”, apenas sendo felizes, vivendo e mostrando o amor das mais diversas formas: o amor-próprio, o companheirismo, entre iguais, entre diferentes. O foco acabou por se virar para uma das bandeiras que o U2 bravamente tem ajudado a levantar: a diversidade, e assim os personagens presentes são em sua maioria membros da comunidade LGBT da terra natal dos irlandeses. E talvez aí esteja mais um dos grandes “pulos do gato” do U2: declarar o amor à sua terra, as suas raízes e as pessoas que fazem de mais uma maneira. Não basta as bandeiras de Sunday Bloody Sunday ou Raised By Wolves, não basta as lembranças da adolescência e das percas como em Iris ou I Will Follow, sim, existe amor, em várias áreas e várias formas, e ele aparece em Killiney Bay, nas portas da casa de Bono, mas não dedicado a Ali, Elijah, John, Jordan ou Eve, mas na atmosfera.

Pergunte a cada um dos seus amigos qual a faixa favorita do novo álbum da banda, Songs Of Experience, com base na resposta de cada, talvez você possa entender um pouco sobre cada coração atordoado. E essa é justamente a magia de uma banda como o U2, ser um, ser vários, sem ser o mesmo. E provar que o AMOR é exatamente isso, grande demais para caber em qualquer lugar, em qualquer regra, em qualquer esteriótipo.

Sabe que há algum tempo, uma certa banda cantou, que no amor não há regras?

Não há regras.

Não há barreiras.

O amor é maior do que qualquer coisa em seu caminho.


Compartilhar notícia

  • 102
  •  
  •  

2
Deixe um comentário

avatar
2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
Carol PradoNathalia Santos Recent comment authors
  Inscrever-se  
mais novos mais antigos mais votados
Notificar-me de
Nathalia Santos
Visitante
Nathalia Santos

Que lindo texto! Parabéns!
Acho que a essência é TD isso que vc descreveu!
U2 provoca isso na minha vida !

Carol Prado
Visitante
Carol Prado

Que incrível esse texto!
Emocionante…