Billboard entrevista Andy Barlow, produtor de "Songs Of Experience" | U2 Brasil
3 de janeiro de 2018 · Songs of Experience
Billboard entrevista Andy Barlow, produtor de “Songs Of Experience”
Postado por Wiliam Koester

Em meados de 2015, o produtor Andy Barlow, mais conhecido pela dupla de música eletrônica Lamb, recebeu um convite de Bono e companhia para trabalhar em algumas faixas de seu próximo álbum, agora recém lançado, “Songs of Experience”. Em uma entrevista para a Billboard, Barlow compartilhou um pouco das experiências de gravação com o U2 em meio a uma turnê em andamento pelo mundo.

Além de produtor, Barlow é reconhecido pelo seu trabalho como sound designer, tendo atuado em materiais como a trilha sonora do jogo Tomb Raider: Underworld, filmes como Moulin Rouge: Amor em Vermelho, séries como Six Feet Under, CSI e Torchwood, bem como a produção de David Gray e The Ramona Flowers. “Eu estava em turnê com o Lamb na Rússia com quase 3 metros de neve quando meu empresário ligou e perguntou se eu gostaria de ir para Mônaco na semana seguinte” explicou Barlow. “A primeira coisa que perguntei quando encontrei Bono foi ‘por que eu estou aqui?’ Ele me respondeu que tem sido um grande fã do Lamb há anos.”

Seu trabalho como consultor

Inicialmente convidado para atuar como produtor do novo álbum, Andy Barlow foi aos poucos se tornando um consultor para a banda. “Bono disse que tinha algumas coisas que precisava de mim, incluindo suas músicas de entrada. Alguns dias depois ele disse ‘você está no time criativo do ao vivo, agora’ e foi isso. Por ser um artista também e já ter subido ao palco várias vezes, acho que fui um candidato óbvio”.

Foi entregue a Andy o desafio de ajustar o setlist dos shows para melhor se ajustar à voz de Bono. “Eu pensaria na sequência das músicas e nas mudanças de notas para poupar sua voz, ouvindo ele cantar a cada sessão e apontar em quais partes há mais demanda de suas cordas vocais, mudando a ordem ou encontrando novas maneiras de cantar partes das músicas”.

A produção do novo álbum

“Se você acha que sabe como produzir bandas, trabalhar com o U2 vai te deixar confuso porque eles fazem as coisas de um jeito diferente”. O produtor comenta que desde o início Bono foi aberto a ideias e deu bastante confiança para seu trabalho. “Ele é mais aberto a ideias do que qualquer um com quem já trabalhei”.

Durante o processo criativo, Andy comenta sobre a forma com que Bono canta. “O processo normal é algo que a gente chamaria de ‘bongolese’, que é um murmúrio sem sentido misturado com alguém que ele está sentindo, uma melodia, uma xícara de café, uma visão da janela. Ocasionalmente uma palavra gruda e se destaca, mas tem mais a ver com o sentimento, os espaços e o fraseado. Quando encontramos uma forma de que gostamos, vamos até as 6 da manhã para escrever uma narrativa que se encaixe”.

O fato de Bono mudar as letras constantemente obrigou um assistente de Andy a manter notas sobre cada mudança. Mas quando eles acreditaram estar tudo pronto, Trump venceu as eleições. “Bono veio e disse que precisávamos mudar as letras porque elas não eram mais relevantes agora e tudo havia mudado”.

O desafio de gravar o álbum durante os ensaios de shows foi grande mas isso ajudou a guiar o “tsunami criativo” que se seguiu. Assim que a iNNOCENCE + eXPERIENCE Tour acabou, todos se reuniram no estúdio de Rick Rubin para gravar pela primeira vez como uma banda completa: “Na estrada você só tem alguns minutos de cada um e a gente não tinha espaço nos camarins para gravar como uma banda. Então eu tinha peças individuais de um quebra-cabeça”, completou.

Barlow também comentou sobre a preparação das sessões de gravação: “Eu gosto de me preparar, […] eu preparo a sessão para vocais, com as letras impressas e microfones configurados. Mas assim que eu chego no estúdio, eles me diziam que estavam trabalhando em uma canção completamente diferente, que eu nunca tinha nem ouvido e que iam trabalhar no baixo! Eu tinha que estar completamente preparado”.

Quando perguntado se havia alguma faixa mais desafiadora, o produtor falou sobre “The Little Things That Give You Away”. “O empresário deles me falou que essa música estava sendo trabalhada há 10 anos. Brian Eno, Daniel Lanois, Flood e Paul Epworth não tinham conseguido passar do primeiro verso, então eu tomei como uma missão pessoal criar uma forma a partir da qual a banda pusesse trabalhar. E eu consegui, está no álbum. É um arranjo no estilo de Hey Jude, onde a primeira metade decola e a segunda faz algo bem diferente.”

Sobre o trabalho em geral, Andy comentou que não se compara a nenhum trabalho que já desempenhou, “nada poderia ter me preparado para isso. Não estávamos em estúdios apropriados em 90% do tempo, o que eu na verdade adoro. […] A banda é muito ocupada, então às vezes eu só tinha uma hora por dia com eles. Várias vezes eles não compareciam por causa de compromissos, o que é bem incomum. Então eu tinha que tentar imaginar o que seria útil em termos de preparação para a próxima sessão. Havia bastante pressão, mas não tanto deles, mas pelo grandiosidade de trabalhar com uma banda da escala deles”.

Andy Barlow foi responsável pela produção das canções “Love Is All We Have Left”, “Red Flag Day”, “The Little Things That Give You Away” e “Book Of Your Heart”.


Compartilhar notícia

  • 188
  •  
  •  
avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Cláu Dio Recent comment authors
  Inscrever-se  
mais novos mais antigos mais votados
Notificar-me de
Cláu Dio
Visitante
Cláu Dio

Red Flag Day é uma das melhores faixas do álbum, disparado.