Bono e The Edge concedem entrevista à National Public Radio | U2 Brasil
20 de março de 2017 · Bono · Notícias · The Joshua Tree Tour 2017
Bono e The Edge concedem entrevista à National Public Radio
Postado por Vetri
bonoedgenpr2

Os membros do U2 estão preparando uma nova turnê para tocar algumas músicas antigas – 30 anos, para ser exato. Paul Hewson e David Evans, conhecidos pelo mundo como Bono e The Edge, serão os primeiros a dizer que sua banda normalmente não gosta de olhar para trás.

“Normalmente Edge, quando temos uma coleção de grandes sucessos saindo, tem que lutar para me fazer ouvi-la, porque parece morta para mim”, diz Bono. “Além disso, eu não gosto muito do cantor, especialmente aquele com mullet dos anos 80”.

Os penteados daquela era do U2 podem ser datados; a música, eles sentem, não é. O Joshua Tree apareceu nas lojas em 1987 e vendeu mais de 20 milhões de cópias, tornando-se um dos principais eventos de cultura pop da década. Nela, esses músicos irlandeses estavam escrevendo sobre a América daquele momento: um tempo de mudança social em casa e o clímax da Guerra Fria no exterior.

“Ronald Reagan estava no poder, e Maggie Thatcher na Grã-Bretanha. A greve dos mineiros foi um grande problema na Grã-Bretanha, um monte de agitação”, diz The Edge. “Eu acho que todos nós percebemos que as coisas estavam quase fechando seus ciclos – como o ambiente no qual o álbum foi escrito é mais parecido com o ambiente político em que estamos hoje do que desde então”.

Bono e The Edge falaram com Steve Inskeep da National Public Radio, que pediu ao cantor e ao guitarrista para explicarem o humor com que o Joshua Tree foi feito.

Steve Inskeep: É verdade que este álbum era para ser chamado The Two Americas?

Bono: Sim, era. Há duas Américas: Há a América mítica e a América real. Nós estávamos obcecados pela América naquela época. América é uma espécie de terra prometida para o povo irlandês – e, depois disso, uma espécie de terra prometida potencialmente quebrada.

Se a Declaração de Independência é como as notas da América, somos como os fãs irritantes que seguem os políticos no banheiro e dizem: “Mas diz aqui: ‘Prometemos nossa honra sagrada’. Sobre o que é isso?” E as pessoas nos falando sobre a América, porque nós amamos tanto. Um pouco arrogante, nós não pensamos que você tem isso. Pensamos que a América é uma ideia que pertence às pessoas que mais precisam.

Inskeep: Uma canção que realmente martelou minha cabeça ao ouvir há anos é “Bullet the Blue Sky”. O que está acontecendo nessa música? Existe algum evento real por trás dele em algum lugar?

Bono: Assim como o Live Aid e uma viagem para a Etiópia, para tentar descobrir como a pobreza pode existir em um mundo de abundância… Eu fui para El Salvador, tentando entender o conflito lá.

Inkseep: Houve um conflito lá, e na Nicarágua também. Isto é durante a Guerra Fria, onde os EUA apoiaram guerras para empurrar de volta contra o que era visto como a ameaça comunista à América Central.

Bono: E eu testemunhei algumas coisas em Salvador que eram realmente indizíveis. Assistimos a um bombardeio em território rebelde, observando os meios de vida das pessoas explodirem e sentindo o chão tremer, mesmo estando nós suficientemente seguros. Foi algo que fez, como você pode imaginar, um pouco de impressão: ver corpos lançados fora de carros ao lado da estrada, coisas terríveis que estava acontecendo. Observar a política externa funcionar em um país pequeno. Foi aí que veio “Bullet the Blue Sky”.

Edge: É realmente um grande exemplo do U2 trabalhando como uma banda. Eu tinha uma parte de guitarra, e Adam e Larry começaram a tocar juntos – e eles tocaram contra essa parte de guitarra no intervalo. Lembro-me de estar bastante frustrado e um pouco irritado com eles: “Por que você está tocando meio expediente?” O engenheiro e Bono estavam na sala de controle, “Wow, isso foi incrível!” E eu estava tipo, “Não, você não entende – isso estava errado, não era o que se supunha ser”. [Mas] foi uma grande lição para mim: Nós rebobinamos, colocamos para tocar, e ouviu-se essa parte do baixo que Adam tinha surgido e era tão selvagem, tão brilhante, e não o que eu teria colocado na parte da guitarra.

Bono: Era um tom diferente!

Edge: A partir daí, nós construímos o resto da música. E como Bono estava descrevendo, ele tinha algumas palavras que ele tinha começado a trabalhar com base nessas experiências – e estava claro que o humor desta música se adequava à experiência que ele tinha tido.

Inskeep: Estou vendo as letras de “Bullet the Blue Sky”, e há um verso falado que me parece, como uma sequência de sonhos. Começa, “Eu posso ver aqueles aviões de combate”, e no final você está em uma sala ouvindo um saxofone. Parece que você está se movendo de uma cena para outra. Você sabe o que está acontecendo lá?

Bono: “Este cara vem até mim, seu rosto vermelho como uma rosa em um arbusto de espinhos, como todas as cores de uma florescência real. E ele está descascando essas notas de dólar, batendo-as para baixo – cem, duzentas – e eu posso ver os aviões de combate.”

Na época eu tinha Ronald Reagan em minha cabeça, e a razão era que eu [vi um mural em El Salvador com Reagan nele]. Eu estava de pé nesta igreja pensando, “Uau, o que Ronald Reagan está fazendo lá na carruagem?” E eles disseram, “É Ronald Reagan como um Faraó, e nós somos os filhos de Israel fugindo.” Realmente, a imagem nessa sequência de sonho é o material que acontece por trás de portas de carvalho, por corredores em mármore, que funciona no cotidiano de pessoas boas que ficam presas em um conflito.

Inskeep: Agora que você está revisitando essas músicas, e você as estará tocando em turnê, você sente vontade de revisar ou reescrever alguma delas?

Bono: Eu mudo as letras o tempo todo. Não só porque não me lembro das originais [risos], mas porque senti que as primeiras eram apenas esboços a maior parte do tempo. Estou orgulhoso dos pensamentos por trás do material, mas às vezes não da expressão da língua. Então eu mudo o tempo todo.

Inskeep: Estou curioso agora, você já foi como a Ella Fitzgerald na famosa interpretação de “Mack The Knife”, onde ela simplesmente não tem ideia do que são as palavras, e ela está apenas inventando coisas?

Bono: É assim que nós escrevemos músicas! Eu tenho feito mer*** no microfone desde que nós tínhamos 17 anos. Às vezes se transforma em palavras, às vezes é como pinturas de som. Eu só fui semi-alfabetizado recentemente. Mas então, há uma tradição antiga, e não é: “A-womp bop a-looma, a-womp bam boom.” Quero dizer, é que… o som é tudo.

Fonte: NPR.org


Compartilhar notícia