Bono explica por que nunca tocaram "Red Hill Mining Town" ao vivo | U2 Brasil
1 de maio de 2017 · Bono · Notícias · The Joshua Tree Tour 2017
Bono explica por que nunca tocaram “Red Hill Mining Town” ao vivo
Postado por VictorRuyz

O grupo irlandês está se preparando para embarcar em uma turnê através dos Estados Unidos e da Europa para celebrar o trigésimo aniversário do álbum – interpretarão ele por completo a cada show.

Enquanto não começam os espetáculos, Bono contou a Chris Evans, na BBC Radio 2, que ensaiar o disco pela primeira vez após três décadas foi uma “experiência estrondosa”.

“Para a banda é encantador ensaiar; eu não sou muito bom ensaiando. Outro dia tocamos ‘The Joshua Tree’ pela primeira vez em 30 anos e foi uma experiência estrondosa. Realmente, me surpreendeu como soam as canções, a relevância que têm com o que está acontecendo no mundo – parecia haver uma conexão.”

Sobre o relançamento de “Red Hill Mining Town”, Bono conta acreditar ter encontrado habilidades ocultas enquanto a ensaiava.

“Eu só compunha canções que não podia cantar. Às vezes, isso estava ok, fazia parte do drama o esforço pela nota inalcançável. Outras vezes, isso poderia arruinar o show. Por isso abandonei ‘Red Hill Mining Town’. Porém, desde então, canto um pouco melhor, acredite se quiser – ou ao menos aprendi como cantar. Antes, era mais um ‘gritante’, vivendo a tradição do punk rock”.

Admite ainda que esperava que Joe Cocker emprestasse a voz para a canção.

“Na minha cabeça, sempre esperei que Joe Cocker a cantasse. Parecia que seria ele…”

“… inicialmente a banda planejava fazer três ou quatro shows – acabamos estendendo para 40. E, me desculpo com os fãs que precisarão viajar bastante para estar conosco nesses shows exclusivos, mas prometo que serão ‘especiais’.”

Ouça a entrevista completa a seguir:

Fonte: U2News


Compartilhar notícia

  • Eduardo

    Bem depois das palavras de Bono podemos esquecer de THE JOSHUA TREE no BRASIL!!

  • yurieu

    Dureza ser do quinto mundo. Enquanto para uma parcela da população global é ROTINA, para nós é quase uma epopéia assistir a um show internacional. Queria eu ser a Dilma, que passou um cheque de cem mil dólares para transportar seus comparsas num comboio nos Estados Unidos.