Como Marc Wakefield ajudou a ressuscitar o Mr. MacPhisto | U2 Brasil
29 de agosto de 2018 · Bono · eXPERIENCE + iNNOCENCE Tour
Como Marc Wakefield ajudou a ressuscitar o Mr. MacPhisto
RômuloPostado por Rômulo

O artista e experiente desenhista digital Marc Wakefield tinha 13 anos quando Batman Forever, de Joel Schumacher, estreou no verão de 1995. O ardente fã de Batman ficou tão encantado com o retrato de Val Kilmer do Cavaleiro das Trevas quando ele derrotou o Charada de Jim Carrey, que ele comprou a trilha sonora do filme.

“‘Hold Me, Thrill Me, Kiss Me, Kill Me'” foi uma das músicas mais tocadas”, lembrou Wakefield, diretor da Augmented Reality Design Solutions, em Londres. Foi também a sua introdução oficial ao U2. “Eu me lembro de um clipe animado de MacPhisto do vídeo da música”, disse ele. “Naquela época eu não fazia ideia de que estaria fazendo isso.”

Wakefield é criador do ‘MacPhisto Effect’, um filtro de câmera de realidade aumentada que ajudou Bono a ressuscitar seu alter ego diabólico durante a primeira parte da turnê eXPERIENCE + iNNOCENCE.

Em julho, o efeito de MacPhisto tornou-se disponível para o público como um dos filtros de câmera do Facebook. É um círculo completo de eventos, à medida em que o efeito de MacPhisto nasceu no Facebook para a plataforma Developers AR Studio onde Wakefield, em colaboração com o arquiteto Ric Lipson e a empresa de design visual Treatment Ltd, trabalhou em protótipos do projeto para Bono experimentar nas semanas que antecederam a eXPERIENCE + iNNOCENCE em maio.

Como artista visual, Wakefield se especializou em pintura e desenho, e começou a trabalhar em realidade aumentada há cerca de cinco anos, construindo modelos 3D para projetos de interiores auxiliados por computador. “Pegando lápis e papel e criando monstros e coisas – é algo que sempre gostei de fazer”, disse ele. “Eu sou um facetador… fascinado com diferentes formas de rostos, olhos diferentes, narizes diferentes.”

Quando o Facebook abriu seu AR Studio em BETA para desenvolvedores no início de 2017, Wakefield mergulhou e criou um filtro de foto de palhaço assustador que se tornou um grande sucesso. Lançado pouco antes do Halloween, o palhaço de Wakefield foi usado mais de 18 milhões de vezes e ainda continua contando.

Ao criar seu palhaço, Wakefield inspirou-se em American Horror Story e IT de Stephen King – mas há mais do que uma pitada de Coringas de Jack Nicholson e Heath Ledger de Batman Returns e The Dark Knight na edição também.

A enorme popularidade de seu palhaço assustador chamou a atenção dos poderosos do Facebook, que convidaram Wakefield para colaborar em projetos internos e participar da conferência anual de desenvolvedores do Facebook em San José, na primavera passada.

“Eu disse desde o início que eu não estaria interessado em fazer coisas engraçadas, mas se eles tivessem algo que envolvesse música e monstros, então definitivamente esse é o tipo de coisa que eu adoraria fazer”, disse Wakefield. Logo depois veio o chamado pedindo-lhe para projetar o efeito de MacPhisto.

Wakefield começou com um design baseado no que MacPhisto parecia quando ele fez sua estreia em 1993 e, depois, com a contribuição do U2 e sua equipe criativa, imaginou como ele seria depois de um quarto de século de vida difícil.

“O feedback foi que os dentes deveriam ser um pouco mais disformes, um pouco mais assustadores e irregulares e mais monstruosos”, disse ele. “Poderia o chapéu parecer que o chapéu já viu dias melhores? Algo condizente com um demônio que está adormecido há 25 anos e agora tenta conseguir o que quer, subindo de volta à realidade… e está usando as roupas que nós o vimos pela última vez.”

Com o tempo, a cartola de MacPhisto ficou mais surrada, a superfície de sua pele rachada e descascada, e um defeito cavernoso apareceu em sua bochecha direita – o que o levou as plateias a perguntarem em mais de uma ocasião: “Existe um dermatologista na casa?”

O Facebook criou uma página privada para o U2 testar o filtro de MacPhisto ao vivo à medida que evoluía. Bono iria testá-lo e enviar comentários, e Wakefield faria ajustes. “Ele pediu que o nariz e o queixo fossem alongados”, disse Wakefield. Com o passar do tempo, o MacPhisto tornou-se “mais sombrio e mais destruído”, tanto pelo design como pela serendipidade.

“Houve uma pequena falha em que o rosto de MacPhisto desapareceria por um momento”, disse ele. “No começo, estávamos tipo ‘Oh não!’ Mas então descobriu-se que de fato funcionou – o rosto desapareceria, e você veria Bono, mas ele ainda usava a maquiagem de MacPhisto e você podia vê-lo como ele é. Mas então a câmera mudaria de novo e o rastreador pegaria e você veria um espaço com a face demoníaca embaixo. Era quase como se MacPhisto estivesse lutando pelo controle sobre Bono.”

Wakefield ainda não teve a chance de ver o show da eXPERIENCE + iNNOCENCE (e o MacPhisto Effect) ao vivo, mas ele se divertiu assistindo os vídeos postados pelos fãs e suas reações à sua criação. “As teorias dos fãs são interessantes”, disse ele. “Eu ouvi uma que disse que ele está ficando cada vez mais sombrio e no final da turnê ele vai estar muito, muito assustador.”

Se a dramática volta de MacPhisto continuar quando a etapa europeia da turnê iniciar-se no dia 31 de agosto, ainda não se surpreenda se o velho demônio decrépito ainda tiver mais alguns truques escondidos sob sua cartola.

A banda convidou Wakefield para encontrá-los em Londres, onde (graças ao Batman) eles se conheceram há 23 anos.

“É apenas gratificante ver algo que eu criei em um dos homens mais famosos do mundo, sendo mostrado em uma turnê de arenas. É uma loucura quando você pensa sobre isso”, ele disse. “Eles são uma banda fenomenal – atemporal na minha humilde opinião. Foi uma grande honra trabalhar neste projeto.”

Fonte: U2.com


Compartilhar notícia

  • 33
  •  
  •  
avatar
  Inscrever-se  
Notificar-me de