Interpretação: City Of Blinding Lights | U2 Brasil
13 de novembro de 2016 · Interpretações
Interpretação: City Of Blinding Lights
Postado por Suderland
cityof

Olá, caros fãs do U2 e da boa música!

Vamos embarcar em mais mais uma jornada filosófica proporcionada pelas canções do U2, que na maioria das vezes carregam mensagens sobre política, fé, existencialismo e relacionamentos. Dessa vez fiz a interpretação da canção “City of Blinding Lights”. Abaixo vou colocar o trecho de uma entrevista que o Bono deu onde o mesmo explica a inspiração da letra dessa canção, que saiu no álbum “How to Dismantle an Atomic Bomb”, de 2004.

“Eu acho que um dos momentos mais importantes pra mim nesse disco aconteceu quando eu fui assistir à exposição de Anton Corbijn. Anton fez todas as capas dos nossos álbuns e tem sido um amigo muito chegado da banda, e um dos fotógrafos mais importantes no mundo e verdadeiramente um grande, grande artista.

Ele tinha uma exposição em um museu na Holanda, de onde ele é, e eu fui visita-la e ele não me disse, mas havia uma sala cheia de gigantescas fotografias da banda lá, e muitas minhas de quando eu era bem novinho, e ele me chamou pra essa sala e eu disse “me deixa cair fora daqui!” Então eu vi essa fotografia – acho que eu tinha uns 20, 21 anos – entrando num helicóptero, eu nunca havia andado de helicóptero antes, o primeiro ou segundo vídeo que fizemos, era New Year´s Day, e estávamos a ponto de decolar. E eu vi esse rosto, e esse rosto era tão aberto, tão livre de complicações, e então toda a ingenuidade estava lá e era tão poderosa, e então esse jornalista holandês apareceu e disse “Bono, o que você diria agora para aquele Bono ali, existe algo que você gostaria de dizer?” E eu fiquei tentando pensar no que diria, e simplesmente surgiu algo na minha boca, eu disse, “eu diria a ele que ele está absolutamente certo, pare de se subestimar”. Naquela época eu não sabia o quanto aquela ingenuidade era poderosa, eu não sabia o quão poderosa era aquela inocência, então eu estava tentando me livrar dela, eu estava tentando atear fogo a mim mesmo, e me livrar disso, me tornar uma pessoa mais eloqüente, me tornar um homem do mundo, e é claro que quanto menos você sabe, mais você sabe, às vezes menos você sente, e realmente compreende.

Então City of Blinding Lights surgiu naquele momento pra mim, é uma história de inocência e experiência, e o refrão baseia-se em um dos melhores momentos no palco até hoje, pra mim, quando fomos a primeira banda a tocar em New York depois do 11 de Setembro, e quando acendemos as luzes, durante uma canção, e eu vi 22 mil pessoas, todas com olhos bem abertos, e as lágrimas rolavam de suas faces e foi um momento maravilhoso pra mim, musicalmente, eu apenas comecei a berrar “oh you just look so beautiful tonight (oh, vocês estão tão belos essa noite). E então se transformou nessa canção” (Bono)

Nesse trecho abaixo de outra entrevista o Bono explica outra parte da canção:

“…’Oh, você olha hoje à noite tão bela’. É uma linha tão ingênua e inocente. Isso é o tema desta canção, lembrando daqueles tempos … Não é necessariamente uma maldição, é que parte de nós é que está faltando. Trata-se de recapturar um sentimento de admiração, sendo em uma cidade e lembrando a si mesmo, que você não tem que perder a sua alma para ganhar o mundo”. — Bono em “City of Blinding Lights”.[McCormick (2006), p. 324]

.:: INTERPRETAÇÃO ::.

The more you see the less you know
Less you find out as you go
I knew much more then than I do now
[Quanto mais você vê, menos você sabe
Menos você descobre conforme você vai
Eu sabia muito mais até então do que eu sei agora]

Essa estrofe faz uma referência clara à situação que o Bono descreveu na entrevista acima ao visitar uma exposição de Anton Corbijn com fotos do início da carreira do U2. Bono disse ao Anton: “Eu diria ao ‘jovem Bono’ que ele está absolutamente certo, pare de se subestimar”. Entendo que ele está se referindo à insegurança que acompanha todo jovem que está descobrindo um novo mundo e andando por novos caminhos nas estradas da vida.

Bono continua a explicando: “Naquela época eu não sabia o quanto aquela ingenuidade era poderosa, eu não sabia o quão poderosa era aquela inocência, então eu estava tentando me livrar dela, eu estava tentando atear fogo a mim mesmo, e me livrar disso, me tornar uma pessoa mais eloqüente, me tornar um homem do mundo, e é claro que quanto menos você sabe, mais você sabe, às vezes menos você sente, e realmente compreende.” Essa é uma clara descrição do processo da busca de aceitação pela qual a imensa maioria dos jovens – para não dizer todos – passa no caminho até a maturidade. Para ser aceito pelos nossos pares passamos a adotar comportamentos e atitudes dos grupos aos quais desejamos pertencer, mesmo que para isso percamos nossa autenticidade, nossa originalidade. Tudo para suprir uma carência interior que nos faz lutar para se sentir parte de uma “tribo”.

E, no meu entender, o resumo dessa estrofe é que a inocência é um estado poderoso de consciência que é subestimada pelos jovens, porque, ironica e obviamente, eles não possuem a vivência e a sabedoria para entender isso. Uma das virtudes de uma jovem e inocente mente é que ela ainda não está engessada por preconceitos e convicções cegas que o tempo e as experiências vão formando. Os jovens, geralmente, são mais humildes e abertos ao aprendizado do novo, propiciando, assim, o alargamento do sabedoria, o descobrimento de novas fronteiras do conhecimento e da vida.

Neon heart dayglo eyes
A city lit by fireflies
They”re advertising in the skies
For people like us
[Coração de néon, olhos fluorescentes
Uma cidade iluminada por vaga-lumes
Eles estão anunciando nos céus
Para pessoas como nós]

Há indícios, segundo citações em entrevistas, que essa estrofe é uma referência às experiências pelas quais a banda passou ao tocar em tocar em Nova Iorque após os ataques de 11 de setembro. Há relatos que a banda se emocionava ao perceber, durante os shows quando as luzes do palco iluminava a platéia, que várias pessoas no público estavam chorando emocionadas pelas homenagens que eles prestavam às vítimas do atentado.

And I miss you when you’re not around
I”m getting ready to leave the ground…
[E eu sinto sua falta quando você não está por perto
Estou me preparando para deixar o chão]

A pergunta que vem à mente nessa estrofe é: de quem o Bono sente falta? A resposta mais óbvia parece ser a sua companheira de longa data e presente em várias canções do U2: sua esposa, Aly. Contudo, acredito que possa ser também uma referência aos fãs do U2, que ficam mais presentes na vida dos integrantes da banda durante as turnês.

Uuh uuh uuuh 
Uuh uuh uuuh 
Oh you look so beautiful tonight 
In the city of blinding lights 
[Oh, vocês estão tão lindos esta noite
Na cidade de luzes que ofuscam]

Bono numa apresentação do programa “Top of the Pops” disse: “Nós fizemos shows incríveis após o 11 de setembro e nós lembramos de todas aquelas luzes ofuscantes que acendiam quando tocavamos Where The Streets Have No Name. Pessoas estavam chorando e aquilo foi incrível de se ver”.

Ou seja, nesse refrão vem novamente a imagem que tanto emocionou e impactou a banda, que foi a beleza do público iluminado e emocionado com as mensagens espirituais e de esperança que permearam toda a “Elevation Tour”. Bono chegou a declarar em entrevistas que o Espírito de Deus pairava nos shows dessa tour durante a execução de Where The Streets Have no Name. O fato é que a emoção das pessoas nesses shows impactou o Bono a ponto dele eternizar essa emoção na letra de “City of Blinding Ligths”.

Don’t look before you laugh 
Look ugly in a photograph 
Flash bulbs purple irises 
The camera can’t see 
[Não olhe antes de rir
Pareço feio na fotografia
Flashes, íris avermelhadas
A câmera não pode ver]

Entendo essa estrofe como uma auto-referência. É o Bono falando das exposição às fotos que sempre estão tirando dele. Hoje sabemos que o Bono usa óculos escuros ininterruptamente porque ele tem um problema nos olhos. A luz irrita suas pupilas a ponto de doer, segundo uma declaração dele.

I”ve seen you walk unafraid 
I”ve seen you in the clothes you made 
Can you see the beauty inside of me? 
What happened to the beauty I had inside of me? 
[Eu te vi caminhar sem medo
Eu te vi vestindo roupas que você fez
Você vê a beleza dentro de mim?
O que aconteceu com a beleza que eu tinha dentro de mim?]

Nessa estrofe Bono retoma a ideia da força da inocência, que faz os jovens caminharem sem medo do novo, seja algo concreto ou abstrato. E também faz eles criarem sua própria moda e vestir roupas segundo sua criatividade e vontade. Então Bono pergunta: “Você vê a beleza dentro de mim?”, como se ele próprio não conseguisse enxergar mais a beleza do “jovem Bono” dentro do velho e experiente Bono. Aquela inocência do “jovem Bono” havia se perdido ao longo da caminhada de vivências proporcionadas pela vida ao longo da nossa existência.

Aliás, curiosamente esse tema da inocência e experiência é exatamente o nome da nova turnê do U2: “Innocence + Experience Tour”. Parece que a banda gostou do tema e os inspirou usá-lo como força criativa para o último álbum e turnê.

Time….. Time…
Time….. Time… 
Time won”t leave me as I am 
But time won”t take the boy out of this man 
The more you know the less you feel 
[Tempo… Tempo
Tempo… Tempo
O tempo não vai me deixar do jeito que eu sou
Mas o tempo não vai levar o garoto que está dentro desse homem
Quanto mais você sabe, menos você sente]

Nesses versos Bono está constatando a inevitável ação do tempo, que sempre traz muitas experiências. Estas, por sua vez, nos transformam e nos fazem perder a nossa inocência. E, assim, quanto mais sabemos, menor é a nossa capacidade de viver algumas sensações, porque passamos a andar no automático e damos menos atenção às situações já vividas.

Some pray for others steal 
Blessings are not just for the ones who kneel…
Luckily
[Alguns oram para os outros roubarem
Bençãos não são somente para aqueles que se ajoelham
Felizmente]

Essa última frase é o Bono fazendo referência à “Graça” de Deus, que ama e abençoa todos os seres humanos, sem distinção de credo, bondade, cor ou religiosidade. Podemos verificar esse princípio numa fala do próprio Jesus, que disse: “Deus faz raiar o seu sol sobre maus e bons e derrama chuva sobre justos e injustos” (Mt 5:45). Ou, nas palavras do Bono, felizmente as bençãos de Deus não são somente para aqueles que se ajoelham.

Espero que tenham gostado! Até a próxima!

Suderland Guimarães
Twitter: @suderland

+ Confira aqui esta e outras interpretações de Suderland 


Compartilhar notícia