Interpretação: If You Wear That Velvet Dress | U2 Brasil
21 de outubro de 2009 · Interpretações
Interpretação: If You Wear That Velvet Dress
Postado por Suderland
ifyouwear

O Bono deu a seguinte declaração sobre a música “If You Wear That Velvet Dress”, no livro “Into the Heart”: “É ótimo ser capaz de ficar impune com isso”, diz Bono. “Nós podemos escrever canções sexuais e espirituais – e canções que são as duas coisas ao mesmo tempo. Podemos escrever o que quisermos, e ficarmos impune com isso. Esse é o caminho que a gente percorreu depois de 15 anos fazendo álbuns.”. Interessante essa frase porque ela demonstra claramente que o Bono não coloca em oposição a sexualidade e a espiritualidade sadia. Até porque ambas provém de Deus.

A abordagem óbvia é que essa canção é sobre uma mulher que parece ser extremamente tentadora em um vestido de veludo, mas nas entrelinhas dessa canção extremamente simbólica é possível se retirar muitas informações subjetivas. Se observarmos bem, a lua e o sol são as figuras centrais dessa canção. O ponto chave é descobrir quem essas figuras representam. E aqui eu peço licença poética para explanar sobre a metáfora relacionada às figuras do sol e da lua que visualizo nessa canção.

Entendo que nessa canção o Sol representa Deus e suas virtudes (luz) que preenche interior (quarto) do personagem, como veremos mais a frente. Já a Lua, especialmente nessa música, representa uma mulher muito sedutora, uma amante capaz de dar muito prazer, mas que ao final deixa o homem triste. Outro detalhe interessante é que a beleza e a luz da Lua advêm do fato dela refletir a luz do Sol. Entretanto a luz da Lua não é forte como a do Sol que, quando mirada, cega os olhos. A luz suave da Lua nos permite contemplá-la, ela pode ser olhada e namorada, o que a torna mais sedutora. Assim, mesmo o Sol sendo mais forte e provedor da luz, tão essencial a todos; a Lua ainda consegue ser mais atraente, aos nossos sentidos, no caso, olhos. E é isso que está descrito nessa canção. Tendo isso em mente, vamos à interpretação.

.:: IF YOU WEAR THAT VELVET DRESS ::.

Tonight the moon is playing tricks again, [Hoje à noite a Lua está pregando peças novamente]

Feeling sea sick again… [Estou me sentindo mal (culpado) novamente.].

And the whole world could just dissolve… [E todo o mundo poderia apenas dissolver…].

Into a glass of water. [Em um copo de água]

A estrofe se inicia com o personagem principal afirmando que a lua (a amante) está pregando peças novamente. Ou seja, talvez esteja novamente tentando seduzir o personagem. E isso o deixa com um mal estar, que talvez seja fruto de um sentimento de culpa instalado em sua consciência. Daí o desejo de que todo o mundo sumisse em copo d’água. Uma postura de fuga diante de uma situação quase incontrolável, o desejo por essa mulher.

I’ve been good ‘cause [Tenho estado bem porque]

I know you don’t want me to, [Eu sei que você não quer que eu fique.]

Do you really want me to be blue as you… [Você quer realmente que eu seja triste como você?]

It’s her daylight that gets me through… [É a sua luz que me faz ir até o fim.]

Creio que o personagem diz ”Eu sei que você não quer que eu fique bem”, porque a lua (a amante) está tentando seduzí-lo para que ele faça algo que traz prazer imediato, mas sofrimento a longo prazo.

Então o homem desabafa com a amante e pergunta “Você quer realmente que eu me sinta triste como você?”. Acredito que ele perguntou isso porque essa relação traz sofrimento para ambos, por ser algo movido apenas por um desejo ardente que traz consigo a culpa. Uma culpa que o deixa abatido. Talvez o que explique a tristeza da amante é que ela deseja mais do que uma mera relação de prazer sexual sem perspectiva, talvez ela queira um relacionamento mais sólido, talvez ela queira ser amada de verdade.

Entretanto, mesmo com essa consciência, o homem segue adiante encantado e seduzido pela luz da lua. É justamente essa luz sedutora que o faz ir adiante e ficar com a amante.

We’ve been here before… [Nós estivemos aqui antes…]

Last time you scratched at my door… [Na última vez você que você arranhou a minha porta]

The moon was naked and cold [A Lua estava nua e fria,].

I was like a two year old, [Eu aparentava ter dois anos de idade].

Who just wanted more… [Alguém que apenas queria mais]

Aqui o personagem descreveu o ambiente e a última vez que eles se encontraram. Ela chegou arranhando a porta, como uma felina atrás da sua presa. Então vem a imagem da lua, a mulher, nua e fria. Onde, talvez, essa palavra “fria” se refira ao nervosismo de se estar fazendo algo proibido, mas, por isso mesmo, extremamente excitante. Tão excitante que faz o homem se sentir como um garotinho de dois anos, que apenas quer saciar seus instintos mais primitivos, sem pensar nas conseqüências.

E na verdade nessas horas ninguém pensa; nessas horas o instinto fala mais alto do que a racionalidade, por isso que depois vem o peso na consciência, fruto do entendimento de ter feito algo sem pensar e que machucou alguém, ou a si próprio. Ou talvez essa culpa seja até mesmo pelo fato do homem ter consciência de que está apenas usando a amante para satisfazer seus instintos, sem amor nenhum.

If you wear that velvet dress… [Se você usar aquele vestido de veludo…]

O paradoxal é que mesmo esse envolvimento com essa sedutora mulher o conduzindo à tristeza, ele a deseja muito, a ponto dele dizer que não resistiria à tentação se a encontrasse com um vestido de veludo. Nessa frase o personagem está confessando sua fraqueza, mesmo sabendo que depois ele se sentirá mal e ficará triste. Em outras palavras, se ela usar o vestido de veludo, ele vira um garotinho de dois anos sem autocontrole que apenas quer saciar seus desejos.

Tonight the moon has drawn its curtains, [Hoje à noite a lua abriu suas próprias cortinas]

It’s a private show [É um show privado ]

No one else going to know… [Que ninguém mais saberá]

I’m wanting… [Estou esperando ]

Nessa estrofe o homem descreve um momento íntimo vivido por ele e sua amante. Quando ela se desnuda e faz um show privado, um strip-tease, que ninguém saberá. Um momento de íntimo de entrega e prazer, mas deixa marcas em ambos quando voltam à realidade.

Sunlight sunlight fills my room, [A luz do Sol, a luz do Sol preenche meu quarto.]

It’s sharp and it’s clear, [É nítida e clara]

But nothing at all like the moon… [Mas não há nada como a Lua]

E depois de nos apresentar todo esse cenário e seu conflito psicológico, o homem diz que é a luz do sol que preenche e ilumina seu quarto. É o sol que possui a luz nítida e clara, mas mesmo assim a luz da lua o atrai mais. Ou seja, é Deus que o ilumina e traz sensação de paz e plenitude, mas o desejo pela amante ainda assim mexe mais com ele, pois o que é proibido possui um enorme poder atrativo.

Enquanto Deus satisfaz seu espírito, a mulher satisfaz seu corpo, seus desejos primitivos. E o conflito só se estabelece porque essa relação parece ser proibida e movida só pelo desejo, pois se houvesse amor, a realização seria plena e sem culpa nenhuma, pois a plenitude se daria no corpo e no espírito, como acontece com um casal que verdadeiramente se ama.

It’s okay… the struggle for things not to say, [Está okay… O esforço por coisas que não se quer dizer]

I never listened to you anyway, [De qualquer modo, eu nunca te escutei]

And I got my own hands to pray… [E eu tenho minhas próprias mãos para orar]

A mulher se esforça para lhe falar coisas que não deseja, talvez porque sejam palavras que machucam. Então o homem responde que não importa, pois ele nunca deu atenção, aqui vejo indício da ausência de amor, posto que quem ama quer ouvir e interagir com sua amada. Então parece que o homem se arrepende de ter fraquejado e busca redenção, busca refrigério para sua alma numa oração a Deus.

Tonight the moon is a mirrorball, [Hoje à noite, a lua é uma bolha de espelhos.]

Light flickers from across the hall, [A luz vibra através do salão]

Who’ll catch the star when it falls… [Quem pegará as estrelas quando elas caírem…]

If you wear that velvet dress… [Se você usar aquele vestido de veludo]

Aqui é ressaltado o brilho e o encanto da lua, a amante em questão. Sua luz é como as bolas de espelhos nas danceterias, hipnotizantes, encantadoras. Tão sedutoras que é capaz de transformar um homem num garoto de dois anos.

Então o homem pergunta “Quem pegará as estrelas quando elas caírem?” Que é uma simbologia bíblica, onde as estrelas que caem são seres de luz, anjos, que cometeram o pecado da soberba por se serem belos e poderosos. Assim, a idéia da frase no contexto da música é “quem amparará esse homem que sempre está caindo nas mesmas armadilhas do desejo?” Vale a pena curtir essa aventura intensa e no final se sentir vazio, mal e desamparado?

Termino por aqui e desejando que a leitura tenha sido prazerosa!

Deus os abençoe!

Suderland Guimarães


Compartilhar notícia