Interpretação: White As Snow | U2 Brasil
14 de abril de 2009 · Interpretações
Interpretação: White As Snow
Postado por Suderland
whiteassnow

Como de costume eu vou colocar algumas informações sobre a música para dar suporte à interpretação.

Bono disse em uma entrevista que “White as Snow” é sobre “os últimos momentos de um soldado no Afeganistão”. Ela representa os últimos pensamentos desse soldado que está morrendo “depois da explosão de uma bomba na estrada”. Bono chegou a afirmar que as primeiras versões de “White as Snow” começavam com o som de uma explosão, que depois eles resolveram tirar. Em linhas gerais, essa bela e lúgubre canção narra algumas imagens da vida do soldado que afloraram em sua memória enquanto ele morria.

É “um tipo de (canção) ‘pastoral’,” disse o Bono. “É um bom prenuncio de como vai ser o álbum que vem logo depois de ‘No Line On The Horizon’, que tem,” diz ele, “a idéia de peregrinação no seu centro”, e é constituído por “músicas mais silenciosas, mais meditativas”. (Fontes: jornais The Guardian e Chicago Sun Times).

Daniel Lanois, um dos produtores do novo álbum, também disse ao jornal “National Post” que “White as Snow” tem como base o hino cristão “O Come, O Come Emmanuel”, o que corrobora com o sentido da letra, pois a mesma possui alguns elementos cristãos que mostrarei a seguir. Vamos à interpretação, espero que vocês gostem.

.:: White as Snow ::.

Where I grew up, there were no hills at all [De onde eu vim não existiam colinas]
The land was flat, the highway straight and wide [A terra era plana, a estrada reta e larga.]
My brother and I, we’d drive for hours, [Meu irmão e eu dirigíamos por horas,]
Like we’d years instead of days [Como se tivéssemos anos ao invés de dias]

O soldado, personagem criado pelo Bono, começa descrevendo a paisagem do lugar de onde ele veio que pela última estrofe não creio ser o Afeganistão. Ele diz que veio de um lugar cujo relevo é plano e possui estradas retas e largas, por isso ele dirigia, com seu irmão, por horas a fio, como se eles tivessem toda uma vida pela frente, ou seja, sem “pré-ocupação” ou ansiedade nenhuma com o amanhã. Esse soldado apenas vivia em paz e serenamente o dia chamado hoje.

A descrição dessa paisagem equilibrada e serena também pode ser entendida como uma metáfora para o estado de espírito desse soldado antes de ir para a guerra. Um estado de espírito centrado, sem solavancos ou ansiedade, representados pelas imagens de uma terra plana e de uma estrada reta e larga.

E tendo como base a próxima estrofe eu creio que esse estado de paz era fruto da ação de Jesus Cristo no seu coração. Por hora apenas perceba a consonância da idéia contida na estrofe acima com a descrição da obra que Jesus faz no coração dos que o ama e guardam suas palavras: “… Se abaixará todo o monte e outeiro; E o que é tortuoso se endireitará, E os caminhos escabrosos se aplanarão; E toda a carne verá a salvação de Deus.” (Lc.3:6).

Por que essa imagem de uma estrada reta e de uma terra plana?! Porque a certeza da salvação oferecida gratuitamente por Jesus pacifica o coração, pois até o que antes era um abismo (morte) Deus transforma num caminho plano e reto para a casa do Pai celeste.

Our faces as pale as the dirty snow [Nossas faces pálidas como neve suja]
Once I knew there was a love divine [Uma vez eu soube que existia um amor divino]
Then came a time I thought it knew me not [Então veio um tempo que eu pensei que ele não me conhecia]
Who can forgive forgiveness when forgiveness is not [Quem pode perdoar o perdão quando não é perdão]
Only the lamb as white as snow [Somente o cordeiro é branco como neve]

Então o soldado continua o flashback e lembra do dia em que ele soube da existência de um amor divino, que nessa estrofe é personificado na figura do “cordeiro”, que é uma das descrições para Jesus Cristo, o “Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.” (Jo.1:29). Mas a princípio ele apenas tomou conhecimento que Ele existia, entretanto não conheceu verdadeiramente a mensagem de Jesus. Por isso que depois veio um tempo que ele pensou “que ele (Jesus) não o conhecia” e justifica o motivo dele ter pensado isso perguntando: “Quem pode perdoar o perdão quando não é perdão”?

A paisagem onde ele vivia era tranqüila e sua crença também, só que isso mudou drasticamente no Afeganistão. E talvez por ele ter matado soldados afegãos durante a guerra ele entrou num dilema: como Cristo iria perdoar um homem que não perdoou os soldados inimigos durante a guerra?!? Com esse dilema na cabeça ele chegou a pensar que Jesus o tinha rejeitado, posto que ele matou soldados afegãos ao invés de “oferecer a outra face” (misericórdia), como Jesus ensinou.
Provavelmente esse dilema o consumiu de angústia e ele se considerou imundo e imperdoável a ponto de pensar que ele, a “neve suja”, era indigno de receber o perdão e o amor de Jesus, o “Cordeiro branco como neve”, daí o sentimento de rejeição.

Mas Deus ama a todos os pecadores que se arrependem, por pior que seja o pecado. Por isso Deus diz: “Vinde então, e argüi-Me: ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve.” (Is.1:18). O amor divino está interessado em misericórdia, Ele quer nos transformar num novo ser verdadeiramente livre e cheio de paz e felicidade.

E a estrofe termina com a afirmação “Somente o cordeiro é branco como neve”, conceito comum no Evangelho para descrever Jesus: “Fostes resgatados… com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado” (I Pe.1:19). Que quer dizer que Jesus foi o único que pisou na Terra que tinha o coração verdadeiramente puro, que não foi corrompido pelos desejos irrefreáveis da carne.

And the water, it was icy [E a água, era gelo.]
As it washed over me [Enquanto me banhava eu não me importava]
And the moon shone above me [E a lua brilhou sobre mim]

Diante das simbologias vistas acima, essa estrofe pode estar se referindo a outro símbolo cristão, o batismo nas águas desse soldado, que é um ritual de iniciação na fé em Cristo depois de compreender e aceitar Sua mensagem. Nesse ritual a pessoa é imersa nas águas, depois de “arrepende-se*”, para emergir, simbolicamente, com uma nova consciência iluminada, cuja única lei é o amor.

* Se tivesse sido perguntado ao soldado o que ele deveria fazer para ir para o céu ele o consenso é que ele responderia: “ser bom”. As parábolas que Jesus contava contradizem essa resposta. Tudo o que precisava fazer era clamar: “socorro”. As únicas pessoas com quem Jesus era duro eram os religiosos que se achavam “bons”. Assim, “arrepender-se” significa abandonar os próprios conceitos (religiosos ou não) acerca de como alcançar um lugar no céu e passar a confiar somente no Cordeiro de Deus, Jesus Cristo, que morreu na cruz para perdoar pecados e salvar a humanidade.

Now this dry ground, it bears no fruit at all [Agora esta terra seca, não produz frutos]
Only poppies laugh under the crescent moon [Somente papoulas riem sob a lua crescente]
The road refuses strangers [A estrada recusa estrangeiros]
The land, the seeds we sow [A terra, as sementes que plantamos]
Where might we find the lamb as white as snow [Onde podíamos encontrar o cordeiro branco como a neve]

Nessa estrofe o soldado volta seu pensamento para sua realidade, o cenário da explosão, no Afeganistão, e começa a descrever algumas características do ambiente que o rodeia e que contrasta com a paisagem de sua terra natal. Essa descrição também pode ser entendida com um sentido metafórico. Vejamos.

O soldado diz que a terra é seca e não produz frutos. O que dá a entender que se trata de um solo desértico onde somente as papoulas estão se desenvolvendo. E para quem não sabe, as papoulas são cultivadas predominantemente para ornamento ou para se fazer ópio. Ou seja, o pouco que esse solo consegue produzir não é usado para os devidos fins, que é alimentar a fome do povo.

O curioso é que o soldado diz que as papoulas “riem sob a lua crescente”. Curioso porque o símbolo do islamismo é a lua crescente, que é a religião predominante no Afeganistão. Então o soldado diz que nessa terra onde ele se encontra a estrada recusa estrangeiros assim como a terra recusa as sementes que eles plantaram. Percebam o contraste com a terra e a estrada de onde o soldado veio.

Mergulhando nessa linguagem metafórica, entendo que esse soldado também possa estar falando que nessa terra a sua fé cristã é recusada e as sementes (palavra de Deus) que ele planta não nascem porque a terra está seca. Em outras palavras, o Evangelho não finca suas raízes nos corações porque seus corações estão tão duros que o amor não penetra. Jesus também usava a imagem de uma semente para se referir à palavra de Deus (Mt.13:4).

Então a estrofe termina com o soldado perguntando onde ele poderia encontrar o Cordeiro branco como a neve. Em outras palavras, onde ele poderia encontrar a mensagem de amor de Jesus nessa terra que recusa tanto estrangeiros como a mensagem trazida por eles?

As boys we would go hunting in the woods [Enquanto garotos nós íamos caçar nas florestas]
To sleep the night shooting out the stars [Passar a noite caçando as estrelas]
Now the wolves are every passing stranger [Agora os lobos são todos os estrangeiros passando]
Every face we cannot know [Todas faces que nós não podemos conhecer]
If only a heart could be as white as snow [Se somente um coração podia ser branco como a neve]
If only a heart could be as white as snow

Nessa última estrofe o soldado volta suas recordações para os bons momentos da sua infância e logo em seguida a compara com esta terra onde todos os estrangeiros são considerados lobos que devem ser eliminados. Provavelmente por conta da intolerância da guerra que acomete o Afeganistão que é fomentada pela intolerância religiosa, onde se estimula a estupidez de uma guerra em nome de Deus, que é amor. Tendo isso em mente nos momentos finais de sua vida, o soldado percebeu que a única coisa que faz sentido em meio à estupidez da guerra é saber que só o perdão que perdoa qualquer pecado poderá salvá-lo e que ele só encontrou isso em Cristo.

Por fim o soldado conclui dizendo que “somente um coração podia ser branco como a neve”. Ou seja, somente Jesus foi mais puro que a mais pura das crianças. Jesus viveu até as últimas conseqüências o amor que Ele ensinou. E Ele fez isso para absorver todas nossas falhas e erros e as pendurar na cruz para que, pela fé, nossos corações fiquem brancos como a neve e verdadeiramente em paz. “Vinde então, e argüi-Me: ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve.” (Is.1:18). E Ele fez isso porque “somente o coração do Cordeiro era branco como a neve”.

Obrigado a quem chegou até aqui e espero que tenha gostado!

Cordialmente,
Suderland Guimarães


Compartilhar notícia