Resenha da JOE: "Songs of Experience" está entre os melhores do U2 | U2 Brasil
27 de novembro de 2017 · Songs of Experience
Resenha da JOE: “Songs of Experience” está entre os melhores do U2
Postado por VictorRuyz

Pode-se juntar o 14° trabalho de estúdio da banda com seus melhores discos.

Qualquer que seja sua opinião sobre a banda, não pode discordar que sabem como produzir ótimas canções – e este álbum está repleto delas.

O álbum abre com a atmosférica balada “Love Is All We Have Left” que poderia facilmente estar em um álbum de canções natalinas. É minimalista, mas efetiva. No final de “Lights Of Home”, sobre os recentes sustos de Bono quanto à saúde, Edge se personifica de Pink Floyd para dar um gosto do que está por vir – já que a banda produz seu melhor trabalho em vinte anos.

“You’re The Best Thing About Me” é uma das faixas que ouvimos antes do lançamento. É uma bela canção pop. Grudenta, se torna inevitável.

Em “Get Out Of Your Own Way”, o U2 começa a politicagem, mas ao invés de mostrar o que precisa ser feito, eles ilustram às pessoas que elas devem “fazer” a própria cabeça – sair do conforto. “The slaves are looking for someone to lead them, the master is looking for someone to need him, the promised land is there for those who need it most”.

É uma música fantástica de refrão brilhante e vocais que se elevam – reminiscências de “Beautiful Day”. Composta de soberanas harmonias de The Edge.

Kendrick Lamar é o convidado na pesada e política “American Soul”. Juntamente com outra harmonia de The Edge, um baixo pulsante domina a faixa. Bono canta “Came here looking for American soul!“, em uma música que você simplesmente sabe que vai fazer um bom trabalho em um show. É o U2 em sua melhor forma de rock n roll sujo.

O equipamento muda notoriamente em “Summer of Love”. Uma música descontraída, de se bater os dedos do pé, que deve ser ouvida sob uma rede com um bom coquetel em mãos.

“Red Flag Day” é uma alusão aos inícios da banda. Soam como uma nova banda, um U2 na puberdade. Deve te lembrar de “Out of Control”, com uma direção mais punk. De qualquer forma, é um álbum sobre experiência, e bem quando você pensa que o som está tomando uma direção, ele se torna algo parecido com reggae, quase um 10CC – Dreadlock Holiday com o baixo efervescente de Adam Clayton.

U2 é mestre em escrever boas canções como “The Showman (Little More Better)”. Esta, pode ser equiparada aos seus melhores trabalhos. “The showman gives you front row to his heart…,” canta Bono, nos lembrando de sua vulnerabilidade, mas não se trata de Bono. Emergindo como uma faixa de Buddy Holly, antes que você perceba já está cantando o, ridiculamente grudento, refrão.

“The Little Things That Give You Away” é de um nível superior.

Uma delícia melodia que alcança a glória, de forma gradativa, com os quatro membros se unindo e fazendo o que fazem de melhor. É muito mais do que uma música. Uma que será anunciada como grandiosa, ao longo dos anos.

“Landlady” é outra música cheia de harmonia e melodia. Um tratamento emocional do início ao fim, é uma daquelas músicas do U2 que ficam melhores cada vez que você a ouve. Quando você pensa que já ouviu o refrão, outro aparece e então você deve decidir qual é o seu favorito.

Outro ponto alto é a pré-lançada “The Blackout”. Surge como uma faixa de “Achtung Baby” e é salpicada com o baixo implacável do Sr. Clayton. É uma faixa projetada para tocar alto em um estádio perto de você. “Democracy is flat on its back,” grita Bono e… bem…, estou muito ocupado pulando, fingindo que estou num mosh-pit, para notar.

A penúltima faixa é “Love Is bigger Than Anything In Its Way”, outra beleza com várias camadas de uma balada. Parece um coro fazendo harmonias para os vocais crescentes de Bono.

Finalmente, “13” que é uma extensão para”Song for Someone” do álbum “Songs of Innocence”. É uma versão muito mais calma do ritmo, mas não menos efetiva.

Este CD é realmente uma preciosidade na primeira, segunda e terceira escuta. Viver com ele por um tempo determinará se atinge as alturas de um “Joshua Tree”, um “Achtung Baby” ou, o cruelmente subestimado, “Pop”.

Fonte: JOE


Compartilhar notícia

  • Anderson Nunes

    Se alguém conseguiu já ouvir o disco como eu consegui, posso dizer q para mim, após ATYCLB, esse é sim o melhor disco…gosto é dificil de se generalizar, porém p mim é o melhor de anos… me surpreeendeu…grande U2!11

  • Leandro França De Mello

    Enfim, o U2 produziu algo a altura de sua discografia. Um disco excelente, muito bem produzido e infinitamente melhor que os três últimos. Há mais coesão e o principal: se livraram do chato Brian Eno. Um disco que será um clássico daqui a algum tempo.