U2 sai da zona de conforto ao tocar no Festival de Bonnaroo | U2 Brasil
13 de junho de 2017 · The Joshua Tree Tour 2017
U2 sai da zona de conforto ao tocar no Festival de Bonnaroo
Postado por VictorRuyz

Não me entenda mal! Há muita música brilhante, virtuosa e popular acontecendo no festival Bonnaroo esse ano.

Mas aí aparece o U2…

Dependendo do seu sentimento quanto aos Rolling Stones, você considera o quarteto irlandês como a maior banda do mundo.

E quando esse quarteto tomou o palco de Bonnaroo, na última sexta, eles, literalmente, trouxeram uma estratosfera de outra dimensão.

Em seus 41 anos de carreira, o U2 nunca havia liderado um festival nos Estados Unidos.

Desde a década de 80, eles vêm liderando seus próprios concertos em arenas e estádios: orando para a massiva escala de convertidos.

Mas, em Bonnaroo, eles tocaram para uma plateia de jovens – de 20 anos e alguma coisa – , acostumados com música eletrônica e Hip Hop. Provavelmente, “bebês” que nem eram nascidos quando “Achtung Baby” ganhou vida. Essa é uma visão que a banda raramente tem nesse século 21 ao estar acima dos palcos.

Isso faz a parada em Bonnaroo ser algo diferente para a banda, que segue com a turnê em celebração aos 30 anos de “The Joshua Tree”. Estranhamente, o setlist para essa tour foi montado de um jeito que parece ter sido inspirado para apresentar-se para os novos fãs do U2.

Começaram o show com três canções feitas quando os próprios membros da banda –assim como a grande parte da plateia do festival – também tinham poucos anos de vida.

Ao fim das apresentações da banda, Bono humildemente diz para o público: “Obrigado por nos darem uma vida maravilhosa”. Em Bonnaroo Music & Arts Festival ele mudou os dizeres, agradecendo por “saírem das tendas e caravanas e nos dar uma noite que nós nunca, nunca, iremos esquecer.”

O primeiro som que fizeram? A inconfundível bateria de Larry Mullen Jr. “Sunday Bloody Sunday”.

Bono citou “The xx”, que precedeu o grupo no palco principal poucas horas antes, e fez o mesmo com “Chance the Rapper” – atração de sábado -, durante “I Still Haven’t Found What I’m Looking For”.

No meio de “With or Without You”, Bono disse: “Estas canções pertencem a vocês agora”.

Tais canções soaram fantásticas! E o mais incrível é que para dar-lhes vida, basta um guitarrista, um baixista, um baterista e um vocal.

A banda fez faixas raramente tocadas até hoje, como “Red Hill Mining Town” e “Trip Through Your Wires”, se tornarem momentos memoráveis.

“One Tree Hill” foi dedicada para a filha mais velha de Chris Cornell.

“Esta noite, queremos cantar essa música para Lily Cornell. Seu pai tinha um coração puro”.

Enquanto “Mothers Of Disappeared” terminava, Bono disse “Obrigado por ouvirem o The Joshua Tree”.

A ponte de “Beautiful Day” se tornou “Under the Bridge”, dos Red Hot Chilli Pepers – numa espécie de prelúdio de sábado, onde a banda seria headliner.

As músicas pareceram brandas e frenéticas dentro do contexto do festival.

A banda parecia maravilhada. Bono terminou a apresentação dizendo que foi uma experiência inesquecível – e ele soava genuíno.

“Será que cometemos um erro não vindo aqui antes? Podemos voltar?”, perguntou.

O vocalista ainda fez graça na parte final do show.

“Que extraordinário é esse negócio de Boonaroo!, obrigado por dar-lhe esse nome inspirado em mim”.

As últimas palavras de Bono em cima do palco:

“Vão para cama!”

Fontes:

usatoday

billboard

rollingstone


Compartilhar notícia