Crônica: Rock’n’Roll em grande escala | U2 Brasil
19 de maio de 2017 · Notícias · The Joshua Tree Tour 2017
Crônica: Rock’n’Roll em grande escala
Postado por Marina
croseat

Rock’n’Roll em grande escala

Comentários de Paul Sexton sobre a segunda noite da # U2TheJoshuaTree2017, no CenturyLink Field, Seattle, Washington.

Se a noite de abertura da ‘The Joshua Tree Tour 2017’ mostrou o U2 vitorioso em Vancouver, a noite número dois os viu sem emenda em Seattle. O segundo show de um itinerário de 33 dias – e o primeiro nos EUA – confirmou todas as promessas do show inaugural canadense e multiplicou-o várias vezes, em uma verdadeira festa audiovisual.

seatle_02_u2br

Na vez de Seattle, uma palavra se espalhou entre os devotos sobre o formato incomum do show, em que uma execução completa de “The Joshua Tree” é encerrada por uma seleção generosa de outros hits favoritos do U2 em quatro décadas. A escala de confiança da apresentação cresceu tanto quanto uma daquelas árvores do deserto que inspiraram o clássico de 30 anos de idade e o set também ofereceu algumas mudanças notáveis da noite anterior.

Como no show anterior, Larry Mullen Jr liderou o caminho para o palco B, para uma saída inicial de cinco músicas de energia crua e rara. Como os cidadãos de Seattle se regozijaram numa noite que ficou inesperadamente seca, ‘Sunday Sunday Bloody’ novamente marcou o ritmo para uma noite de energia espontânea. ‘New Year’s Day’ e ‘A Sort Of Homecoming’ mantinham o motor em funcionamento, a compacidade do pequeno palco apenas aumentava a intensidade compartilhada entre quatro mentes com um objetivo preciso, que era oferecer um brilhante e grandioso show de rock ‘n’ roll.

seatle_03_u2br

Em seguida, uma música de ‘The Unforgettable Fire’ foi substituída por outra e ‘MLK’ abriu caminho na lista para ‘Bad’: Bono provocando o iminente deleite de um álbum sobre os Estados Unidos e interpolando a estrofe principal de ‘América’ de Simon & Garfunkel. ‘Pride (In The Name Of Love)’ novamente teve fãs entoando seu coro de abandono.

seatle_04_u2br

Depois, trabalharam no palco principal, no qual a interação entre a banda, o lirismo dos 30 anos da “Joshua Tree” e os novos filmes e fotografia de Anton Corbijn foram bastante impressionantes. As texturas da guitarra de Edge eram infinitamente variadas e subestimadas, assim como seus vocais de apoio. Mullen e Adam Clayton eram as imagens de concentração. Bono pode zombar de sua própria habilidade na harmonia, mas ele tocou um riff médio para ‘Running To Stand Still’.

É difícil enfatizar como a reformulada “Red Hill Mining Town”, a estrela da atração, está se tornando um feito da banda, com o recém-lançamento mixado por Steve Lillywhite, com suas encantadoras cornetas. E pensar que o U2 nunca a tinha tocado ao vivo antes do show em Vancouver ou que Bono nunca tenha gostado de cantá-la até agora, preferindo desejar um cover de Joe Cocker.

seatle_05_u2br

Assim, muitas das letras do álbum tiveram um novo significado na maneira como o U2 as devolveu, por assim dizer, aos braços da América. Nas palavras de outra canção, eles foram bem-vindos no país de Deus. ‘Exit’ foi um dos vários números que apresentou efeitos óticos incríveis do quarteto tocando em um visual “negativo” de si mesmos.

Assim como o álbum se encerra com ‘Mothers of the Disappeared’, a banda se juntou aos convidados do show de abertura, Mumford & Sons e para compartilhar os vocais, Eddie Vedder do Pearl Jam. Bono agradeceu a todos por manter ‘The Joshua Tree’ em seus corações por tanto tempo.

seatle_06_u2br

Entre os acordes iniciais, “Elevation” foi especialmente apresentada e “Ultraviolet (Light My Way)” foi graciosa no seu reconhecimento de mulheres fortes em todas as esferas da vida. “The Little Things That Give You Away , a nova composição que Bono descreve como “uma canção de experiência” antecipa o próximo álbum e precisou de apenas duas execuções para se tornar atraente. Isso parecia ser o final novamente, até que eles mandassem a multidão para casa encantada com ‘I Will Follow’. Toda a multidão explodiu com alegria.

Dois shows e ‘The Joshua Tree Tour 2017’ e a proposta já é sentida, sua nostalgia não é nem um pouco artificial. Observando o escopo da produção, lembra-se que o número de artistas que podem montar shows ao vivo nessas dimensões é menor do que a barriga de uma cascavel no deserto californiano que os inspirou.

Nota: este texto é uma reprodução do original publicado no U2.com. Para conferir o setlist, fotos e vídeos dessa segunda noite, clique aqui. Perdeu a crônica da primeira noite? Então, confira!


Compartilhar notícia