As 13 melhores histórias de “Surrender” – por Vulture
As 13 melhores histórias de “Surrender” – por Vulture
30 de outubro de 2022
As 13 melhores histórias de “Surrender” – por Vulture
O jornal Vulture traz as 13 melhores histórias – e revelações – sobre o U2 escritas por Bono em sua autobiografia, “Surrender”.
Rômulo
Editor-chefe do U2 Brasil

"Surrender" é um título instrutivo para as memórias de Bono. Há muito a que se render neste livro, o primeiro do vocalista do U2. São mais de 550 páginas; a prosa varia de profunda a desajeitada; há desvios prolongados do U2 para falar sobre sua família e seu trabalho político; passagens elogiam figuras como George W. Bush, Bill Clinton e Bill Gates; e, além de tudo, os capítulos são acompanhados por 40 desenhos feitos pelo cantor. Claro, Bono ganhou o direito de escrever suas memórias como quiser – ele é um dos melhores cantores e compositores do rock e viveu uma vida plena. Mas se você não está pronto para dar esse salto de fé, não se preocupe: trazemos a vocês 13 das melhores histórias do U2 que Bono revela em seu livro.

O U2 fingiu sua primeira audição com uma música dos Ramones.

"Surrender" deixa claro desde o início que Bono tinha aquela bravura dos primeiros dias do U2. Um exemplo: a primeira audição da banda, para um programa infantil de TV chamado Young Line, em 1978. O U2 tinha músicas originais na época, mas a banda estava discutindo sobre o que tocar - então quando o produtor pediu uma canção original, Bono passou "a não-muito-mas-famosa música dos Ramones 'Glad to See You Go'" como um corte do U2. A banda chegou ao show, onde eles tocaram “Street Mission”, uma das primeiras músicas deles. “Ninguém percebeu”, escreve Bono. “Outro milagre atribuível a Joey Ramone.”

Bono queria que John Lennon produzisse "Boy" antes de morrer.

Falando em confiança, que tal? Bono estava escrevendo uma carta para Lennon em 1979, meses antes de seu assassinato, para pedir que ele produzisse o álbum de estreia da banda, "Boy". “Nós escrevemos uma música chamada ‘The Dream Is Over’ provocada por sua explicação descartável sobre o desaparecimento do Fab Four. Agora, quando nosso sonho estava começando, o sonho dos Beatles acabou”, explica Bono. Em vez disso, "Boy" de 1980 começou a parceria inicial do U2 com Steve Lillywhite, que também produziu os dois álbuns seguintes, "October" e "War".

The Edge pensou que Deus queria que ele deixasse o U2 – mas o empresário deles disse que não.

As lutas do U2 para conciliar sua fé cristã com sua vida de estrela do rock, especialmente nos primeiros anos, foram bem documentadas. Mas "Surrender" lança mais luz sobre o momento em que seu guitarrista, The Edge, sentiu que Deus o estava chamando para sair da banda antes do lançamento de outubro de 1981. Bono decidiu que não ficaria na banda sem o Edge, mas o que os manteve juntos foi uma resposta perspicaz de seu empresário de longa data, Paul McGuinness (um ateu). Veja como Bono conta:

"Fomos ver Paul, que nos ouviu. Houve uma pausa, a sala se aquietou, e então Paul falou.

'Devo deduzir disso que você tem falado com Deus?' ele perguntou.

'Achamos que é a vontade de Deus', respondemos sinceramente.

'Então você pode simplesmente ligou para Deus?'

'Sim', entoamos.

'Bem, talvez da próxima vez você pergunte a Deus se está tudo bem para o seu representante na terra quebrar um contrato legal?'

'Perdão?'

'Você acha que Deus quer que você quebre um contrato legal? Um contrato que eu assinei, em seu nome, um contrato legal para você sair em turnê? Como pode ser possível para este seu Deus querer que você infrinja a lei e não cumpra suas responsabilidades de fazer esta turnê?'

'Que tipo de Deus é esse?'

'Bom ponto. É improvável que Deus nos faça quebrar a lei.'

Edge concorda e argumenta que ele estava sempre procurando alguma razão para continuar."

Brian Eno não falará sobre “riffs” – mas falará sobre sexo.

O gênio do estúdio Brian Eno estava inicialmente cético em trabalhar com o U2 e, segundo Bono, disse que não tinha ouvido a música da banda antes de Bono lhe pedir para produzir "The Unforgettable Fire", de 1984. Eno acabou se convencendo quando Bono concordou em tentar “um álbum sem nenhum acorde menor”. No estúdio, Bono escreve, Eno tinha uma maneira específica de falar sobre música. “Brian abominava a conversa de ‘muso’”, escreve ele. Ele chamava os riffs de “figuras” e preferia o termo “sonics” ao invés de som. Quanto ao que ele não tinha problemas em discutir? “Brian adorava falar sobre sexo, não de um jeito de vestiário – o que achamos que não era legal – mas de uma maneira científica”, continua Bono. Aquele rapaz sujo iria fazer uma obra prima imaculada de "The Joshua Tree" em 1987 e continuou trabalhando com o U2 até o álbum de 2009 "No Line on the Horizon".

Jimmy Iovine convenceu o U2 a não usar “Where the Streets Have No Name” naquele comercial de carro.

Outra história que Bono reconta é sobre a banda recebendo uma oferta de US$ 23 milhões de uma montadora que queria usar “Where the Streets Have No Name” em um anúncio por volta de 2000. Ele recusou a oferta – a conselho do co-fundador da Interscope. Jimmy Iovine, de todas as pessoas, ele escreve. Bono se lembra de Iovine dizendo: “Você pode aceitar o acordo. Mas você só precisa se preparar para aquele momento em que diz 'Deus anda pela sala' sendo conhecido como 'Oh, eles estão tocando aquele anúncio de carro'".

Flood certa vez convenceu o U2 a fazer uma sessão de estúdio nu.

Um produtor com métodos não convencionais não é novidade. Mas esta ainda é a imagem: Bono lembra Flood, um dos principais produtores da banda, uma vez sugerindo que eles gravassem uma sessão enquanto estavam nus “para injetar leveza no momento”. A banda (e a equipe de produção!) se apresentou com nada além de fita adesiva sobre suas partes íntimas – “Tudo pela causa da arte, você entende”, escreve Bono.

Bono considera “Mysterious Ways” a música “mais sexy” da banda.

E ele credita o som ao fascínio de Edge pelo funk e pela dance music. “Essas novas demos tiveram a alegria que procurávamos em nossa música, mas com um fundo mais funk”, escreve Bono. Quanto ao seu single favorito? “Vertigo”, “mesmo que esteja longe de ser uma música pop”.

Jeff Koons quase desenhou a capa de "Pop".

Para o polêmico álbum de 1997 do U2, a banda se inspirou em Andy Warhol e tentou trabalhar com um artista que eles viram riffs em sua arte pop, Jeff Koons. “Adorei seu humor ousado e mordaz”, escreve Bono. Quando eles conheceram Koons, ele falou “em tons precisos e acadêmicos” enquanto apresentava à banda seu conceito para a capa do álbum: quatro gatinhos em meias pendurados em um varal para representar cada membro da banda. “Esperamos ele rir. O sinal de que poderíamos”, escreve Bono. “Ele não. Ele está falando sério.” A banda não aceitou a ideia – mas olhando para trás agora, Bono chama isso de “brilhante”.

Iovine também não gostava de "Pop".

O U2 fez pública sua decepção com seu nono álbum. E não foram os únicos. “Jimmy Iovine nos encurrala; ele diz que o momento em que um artista muda é o momento em que eles param de colocar a gravação em primeiro lugar”, Bono escreve sobre um crítico severo. “Ele pensou que Pop poderia ser o conjunto de demos mais caro da história da música. A demo não foi entregue.”

A performance acústica de “Ordinary Love” do U2 no Oscar foi “de última hora” – e controversa.

Quando o U2 voltou ao Oscar para sua segunda indicação, pela música “Ordinary Love” da cinebiografia de Nelson Mandela, Long Walk to Freedom, eles trabalharam por semanas para planejar uma apresentação do tamanho do U2. Então, Bono escreve, eles mudaram de ideia “no último minuto”, preferindo fazer a música acústica. (Essa apresentação não está disponível no YouTube, mas há uma semelhante no The Tonight Show.) “Entre a fanfarra e o desfile da premiação mais popular do mundo, talvez pudéssemos furar a bolha do showbiz e criar um momento mais meditativo”, ele raciocina. Bono chama a performance de sua “versão favorita” da música, mas nem todos concordaram. "Um produtor pensou que não e disse para nós 'Vocês nunca irão trabalhar nesta cidade novamente!'", escreve ele. “Depois de todo esse tempo, foi muito bom ouvir uma dessas falas.”

Bono costumava tocar novas músicas do U2 para Barack Obama.

A experiência de Bono no mundo do rock o ajudaria a ter sucesso na politicagem em sua segunda carreira como defensor do combate à AIDS. (Ele pode ser a única pessoa a se relacionar com o notável conservador John Kasich sobre o Radiohead, ele revela em "Surrender".) Depois de conhecer Barack Obama como senador, Bono se tornaria amigo dele durante seu tempo na Casa Branca - até tocando para ele novas músicas do U2 (para fazer lobby para inclusão em suas playlists, com certeza). “Fui levado por sua curiosidade intelectual sobre como a música era composta”, escreve Bono.

McGuinness deu um retorno positivo ao ouvir que Bono estava cogitando Guy Oseary como novo empresário.

McGuinness parou de trabalhar com o U2 em 2013, mas não sem alguns golpes finais na banda. Quando Bono disse a McGuinness que Guy Oseary, empresário de Madonna, estava disposto a trabalhar com o U2, ele respondeu de forma característica. “Guy Oseary entenderia que você não pode gerenciar o U2 em um BlackBerry?” ele disse, por Bono. “Que administrar vocês quatro não é administrar Madonna. Que está gerenciando quatro Madonnas.” Desde então, Oseary gerenciou cinco Madonnas - U2 e a própria mulher - depois que a Live Nation adquiriu sua empresa, Maverick, e a empresa de gerenciamento do U2, Principle Management.

E sim, Bono assume “total responsabilidade” por lhe dar aquele álbum contra sua vontade.

Aqui está o que você estava esperando: anos depois de lançar um iPod com a Apple, o U2 voltou para a empresa com a ideia de distribuir seu álbum de 2014, "Songs of Innocence", em todos os dispositivos da Apple gratuitamente. "Qual é o pior que poderia acontecer?" Bono lembra de pensar, comparando o álbum a uma garrafa de leite que a banda deixou na porta dos usuários da Apple. “Em 9 de setembro de 2014, não apenas colocamos nossa garrafa de leite na porta, mas em todas as geladeiras de todas as casas da cidade”, escreve ele. “Em alguns casos, derramávamos nos flocos de milho das pessoas boas. E algumas pessoas gostam de derramar seu próprio leite. E outros são intolerantes à lactose.” Bono diz que assume “total responsabilidade” pela façanha, não o resto da banda, Oseary, ou o CEO da Apple, Tim Cook (que, ele observa, “nunca piscou” quando foi mal recebido). “A parte de mim que sempre será punk rock pensou que isso era exatamente o que o The Clash faria. Subversivo”, escreve ele. “Mas subversivo é difícil de reivindicar quando você está trabalhando com uma empresa que está prestes a ser a maior do mundo.”

Fonte: Vulture

Notícias relacionadas
SIGA O U2BR NAS REDES SOCIAIS


SIGA O U2BR NAS REDES SOCIAIS
parceiros
apoio
ouça a rádio oficial
CONTRIBUA COM O NOSSO PROJETO. CLIQUE AQUI PARA SABER COMO.
© 2006-2022 U2 Brasil PROJETO GRÁFICO: NACIONE™ BRANDING Special thanks to Kurt Iswarienko and iinchicore (Photography)